Ficção e história

Curso: Ficção e história

 

Prof. Felipe Charbel

 

Horário: sextas-feiras, das 15:00 às 18:00

 

 

Ementa: A proposta do curso é analisar, a partir de uma abordagem cruzada entre teoria da história e teoria literária, as “vias de acesso” entre ficção e história na literatura contemporânea em prosa. A escolha das obras seguiu três critérios: (a) proposição de um corpus temático abrangente e de enfoque transcultural, permitindo uma abordagem comparativa que permita a identificação de algumas formas de sensibilidade do tempo próprias da literatura contemporânea; (b) o predomínio do “páthos da autencidade”, entendido aqui como expectativa de “acesso” à singularidade do evento histórico ou de produção de efeitos de presença, por meio da ficção; (c) a escolha de obras caracterizadas, formalmente, por um investimento autorreflexivo. As obras discutidas no curso serão as seguintes: A morte do inimigo (1959), de Hans Keilson; Um túmulo para Boris Davidovitch (1976), de Danilo Kiš; À espera dos bárbaros (1980), de J. M. Coetzee; A marca humana (2000), de Philip Roth; Austerlitz (2001), de W. G. Sebald; Hammerstein, ou a obstinação (2008), de Hans Magnus Enzensberger; HHhH (2010), de Laurent Binet.

 

Unidade 1. História, ficção e historicidade

 

 

SCHAEFFER, Jean-Marie. Why Fiction? Lincoln and London: University of Nebraska Press, 2010, pp. 109-204.

 

LACAPRA, Dominick. “History and the Novel”. In. History and Criticism. Cornell University Press, 1985.

 

ROTH, Philip. A marca humana, Trad. Paulo Henriques Britto. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

 

MUKAROVSKÝ, Jan. “Arte como fato semiológico” e “Sobre o estruturalismo”. In.

 

Escritos sobre estética e semiótica da arte. Trad. Manuel Ruas. Lisboa: Editorial Estampa, 1979.

 

SEBALD, W. G. Austerlitz. Trad. José Marcos Mariani de Macedo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

 

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Atmosfera, ambiência, Stimmung. Sobre um potencial oculto da literatura. Trad. Ana Isabel Soares. Rio de Janeiro: Contraponto: Editora PUC-Rio, 2014, pp. 9-33.

 

 

Leituras complementares

 

 

STIERLE, Karlheinz. A ficção. Trad. Luiz Costa Lima. Rio de Janeiro: Caetés, 2006.

 

ISER, Wolfgang. “Atos de Fingir”. In. O fictício e o imaginário. Trad. J. Kretschmer. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1996.

 

ANKERSMIT, Frank. “Truth in History and Literature”. Narrative, 18, nº 1, 2010. POSSNOCK, Ross. Philip Roth’s Rude Truth. The art of Immaturity. Princeton and

 

Oxford: Princeton University Press, pp. 193-235.

 

SIMIC, Charles. “Conspiracy of Silence”. In. SCHWARTZ, Lynne Sharon (org.). The Emergence of Memory. Conversations with W. G. Sebald. New York: Seven Stories Press, 2007.

 

HIRSCH, Marianne. “The Generation of Postmemory”. Poetics Today, 29, 1, 2008.

 

 

Unidade 2. Ficção e meta-história

 

 

KEILSON, Hans. A morte do inimigo. Trad. Luiz A. de Araújo. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

 

COETZEE, J. M. À espera dos bárbaros. Trad. José Rubens Siqueira. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

 

KOSELLECK, Reinhart. “Histórica y hermenéutica”. In. VILLACAÑAS, José Luis;

 

ONCINA, Faustino (org.). Historia y hermenéutica. Barcelona: Buenos Aires: México: Ediciones Paidós, 2002.

 

ATTWELL, David. J. M. Coetzee. South Africa and the Politics of Writing. Berkeley and Los Angeles: University of California Press, 1993, pp. 9-34, 70-87.

 

Leitura complementar

 

 

ATTRIDGE, Derek. J. M. Coetzee and the Ethics of Reading. Chicago and London: The University of Chicago Press, 2004, pp. 32-64.

 

Unidade 3. Metaficção, historicidade e ética da representação ficcional

 

 

STONEHILL, Brian. The Self-Conscious Novel. Artifice in Fiction from Joyce to Pynchon. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1988, pp. 1-47.

 

BINET, Laurent. HHhH. Trad. Paulo Neves. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

 

STEINER, George. “Presenças verdadeiras”. In. Nenhuma paixão desperdiçada. Trad. Maria Alice Máximo. Rio de Janeiro: Record, 2001.

 

HARTOG, François. Regimes de historicidade. Presentismo e experiência do tempo.

 

Trad. Andreá Souza de Menezes [et al.]. Belo Horizonte: Autêntica, 2013, pp. 133-260.

 

ENZENSBERGER, Hans Magnus. Hammerstein, ou a obstinação. Trad. Samuel Titan Jr. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

 

KIS, Danilo. Um túmulo para Boris Davidovitch. Trad. Heloisa Jahn. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

 

________ Homo Poeticus. New York: Farrar, Straus, Giroux, 1995, pp. 9-72. ANKERSMIT, Frank. Sublime Historical Experience. Stanford: Stanford University

 

Press, 2005, pp. 1-15, 317-368.

 

 

Leituras complementares

 

 

WAUGH, Patricia. Metafiction. The Theory and Practice of Self-Conscious Fiction.

 

London and New York: Methuen, 1984, pp. 1-61.

 

BINET, Laurent. “Le merveilleux réel”. Le Débat, 2, 2011, 165.

 

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de Presença. Trad. Isabel Soares. Rio de Janeiro: Contraponto: Editora PUC-Rio, 2010.

 

BOUJU, Emmanuel. La transcription de l’Histoire. Essai sur le roman européen de la fin du XXe siècle. Rennes: Presses Universitaires de Rennes, 2006, pp. 39-62, 111-132.