Figurações do tempo

Profa. Dra. Andrea Daher e Profa Dra. Luiza Larangeira
Dia/Horário: Terça-Feira, 10h-13h
Sala Werneck

Profa Dra. Andrea Daher e Profa Dra. Luiza Larangeira

Ementa

A proposta da disciplina é colocar em discussão algumas das formas de figuração do tempo relacionadas à experiência da subjetividade, em particular as formas ficcionais. Divididos em três blocos, os problemas levantados serão tratados, primeiro, em perspectiva teórica (A experiência do tempo e as formas narrativas); segundo, no âmbito do regime analógico de funcionamento dos discursos em que a subjetividade não se define como psicologia (Tempo como participação analógica no Um); e, terceiro, segundo as formas modernas de figuração ficcional do tempo (Figuração do tempo e subjetividade nas formas modernas de ficção literária). As aulas assumirão a forma de seminários de discussão de textos, a partir da bibliografia proposta.

Bibliografia sumária

AGOSTINHO. Confissões. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

ARISTÓTELES. Poética. São Paulo: Editora 34, 2015.

ARAUJO, Ricardo Benzaquen; VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Romeu e Julieta e a Origem do Estado. In: VELHO, Gilberto. Arte e Sociedade:  ensaios de sociologia da arte. Rio de Janeiro: Zahar, 1977. [p. 130-169]

AUERBACH, Erich. “A cicatriz de Ulisses”. In:_____. Mimesis. A representação da realidade na literatura ocidental. São Paulo: Perspectiva, 1976, p. 1-20.

AUERBACH, Erich. Figura. São Paulo: Ática, 1997.

BAKHTIN, Mikhail. “Epos e Romance (Sobre a Metodologia do Estudo do Romance)”. In. _____. Questões de Literatura e Estética. São Paulo: Hucitec-Unesp, 1998, p. 397-428.

BAKHTIN, M. Teoria do Romance II. As formas do tempo e do cronótopo. São Paulo: Editora 34, 2018.

BENJAMIN, Walter. Charles Baudelaire: um lírico no auge do capitalismo (Obras escolhidas III). São Paulo: Brasiliense, 1989. [p. 103-149]

BOURDIEU, Pierre. “O ser social, o tempo e o sentido da existência”. In. _____. Meditações Pascalinas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001. 

BOUVERESSE, Jacques. “Les “énigmes” du temps”. In. _____. Essais III. Wittgenstein et les sortiléges du langage. Paris: Ágone, 2003.

CLIFFORD, J. A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de janeiro: Ed. da Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1998. [p. 91-119].

DE CERTEAU, M. La faiblesse de croire. Paris: Seuil, 1987 [p. 307-310].

DESCOLA, Ph. Par-delà nature et culture. Paris: Gallimard, 2005. [       

DICKENS, C. David Copperfield. London: Penguin Books, 2004.

ELIAS, Norbert. Sobre o tempo. São Paulo: Zahar, 1998. 

FOUCAULT, M. “La pensée du dehors”; in Dits et écrits I. Paris: Gallimard, 1994.

FOUCAULT, Michel. O que é um autor? Lisboa: Passagens, 1992. [p. 129-160]

FOUCAULT, M. As Palavras e as coisas. Uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

GRAFTON, Anthony; ROSENBERG, Daniel. Cartographies of Time: a history of the Timeline. New York: Princenton Architecturial Press, 2009.

GREENBLATT, S. Renaissance Self-fashioning. Chicago/London: The University of Chicago Press, 1980. [p. 1-10; p. 222-254].

HANSEN, J. A. & PÉCORA, A. Categorias retóricas e teológico-políticas das Letras Seiscentistas na Bahia. Desígnio (São Paulo), v. 5, p. 87-110, 2006.

JAMES, H. The Portrait of a Lady. London: Penguin Books, 2003.

JEFFERS, T. L. Apprenticeships: The Bildungsroman from Goethe to Santayana. New York, N.Y: Palgrave Macmillan, 2005. [p. 35-55]

KANTOROWICZ, Ernst E. “Aevum”. In. ____. Os Dois Corpos do Rei. Um estudo sobre teologia política medieval. São Paulo: Companhia das Letras, 1998, p. 171-176.

KECK, F. Le primitif et le mystique chez Lévy-Bruhl, Bergson et Bataille. In : Metodos. Savoirs et textes. Figures de l’irrationnel. Presses Universitaires du Septentrion, vol. 3, 2003, p. 1-14.

KERMODE, F. A Sensibilidade Apocalíptica. Lisboa: Edições Século XXI, 1997, p. 21-46.

KERMODE, F. Romantic Image. London; New York: Routledge, 2002. [p.3-36]

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto: Puc-Rio, 2006.

LUKÁCS, G. A teoria do romance. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34: 2000, p. 55-69.

LUKÁCS, G. A alma e as formas. Belo Horizonte: Autêntica, 2015. [p. 99-128; p. 145-163]

MACHADO, R. Foucault, a filosofia e a literatura. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

MANN, T. “A arte do romance”. In. ____. Travessia Marítima com Dom Quixote. Ensaios sobre homens e artistas. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

MANN, Thomas. Tonio Kröger. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2000.

MAUSS, M. “Uma categoria do espírito humano: a noção de pessoa, a de ‘eu’”. In. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2015. [p. 365-395]

MELVILLE, Herman. Bartleby, o escrivão. Uma história de Wall Street.. São Paulo: Cosac Naify, 2008.

RICŒUR, P. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Unicamp, 2007.

RICŒUR, P. Tempo e Narrativa: o tempo narrado. (vol. 1). São Paulo: Martins Fontes, 2010. [p. 13-155]

RICŒUR, P. Tempo e Narrativa: a configuração do tempo na narrativa de ficção. (vol. 2). São Paulo: Martins Fontes, 2010.

RICŒUR, P. O si mesmo como outro. São Paulo: Martins Fontes: 2014. [p. 111-144]

ROUSSEAU, J-J. Confissões. São Paulo: Edipro, 2008.

SIMMEL, G. “O conceito e a tragédia da cultura”. Crítica Cultural – Critic, Palhoça, SC, v. 9, n. 1, jan.-jun. 2014, 145-162.

SIMMEL, Georg. “As grandes cidades e a vida do espírito”. Mana, 2005, 2/11, p. 577-591.

TRILLING, L. Sinceridade e Autenticidade. A vida em sociedade e a afirmação do eu. São Paulo: É Realizações, 2014. [p. 11-37

VIEIRA, A. (S.J.). História do Futuro. Lisboa: Imprensa Nacional, Casa da Moeda, 1982.

WATT, I. A Ascensão do Romance. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. [p. 9-36; p. 63-99]

WEBER, Max. A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004. [p. 71-83; p. 87-117]