Ressentimentos: gramáticas políticas e sentimentos morais (sécs. XIX ao XXI)

Professores Monica Grin e Michel Gherman

 

O tema do ressentimento tem desafiado o campo dos estudos históricos e políticos, especialmente no contexto do pós-guerra. Acertos de contas com um passado de violência extrema vem sensibilizando grupos identitários em busca de reconhecimento e reparação. O espaço público transforma-se em arena de disputas de memórias, de histórias, de vitimização, cujas bandeiras de luta encontram na violência das guerras e conflitos, nos racismos, na exclusão social e na desigualdade, razões suficientes para a expressão de ressentimentos, como atos de resistência e protesto, contra todas as formas de violência e violação de direitos perpetradas  no passado. Contudo, o ressentimento, como sentimento moral, nem sempre teve essa tradução afirmativa. Ele possui historicidade. Desde o século XIX, até os dias de hoje, tem abrigado várias definições, conforme o contexto político, social e cultural de que se trate. O objetivo do curso é resgatar a historicidade do ressentimento, como sentimento moral, e a sua relevância hoje como expressão de luta para segmentos identitários em busca de reconhecimento e reparação.

 

O argumento da igualdade e o ressentimento no pós-Revolução Francesa

Ressentimento, privação relativa e injustiça social

Holocausto, ressentimento, culpa e perdão

Ressentimento e racismo

Ressentimento pós-colonial e disputas de memórias

Programa Completo: Grin-ppghis-2018