Seminário de Pesquisa em Sociedade e Política

 

Prof. Carlos Fico

EMENTA

História política no século XIX: positividades e limites das histórias nacionais, da história diplomática, das temáticas da guerra, da biografia etc. O historicismo cientificista e o historicismo romântico. A decadência da história política no século XX: o predomínio acadêmico do marxismo e a valorização da perspectiva macro-teórica dos estudos sócio-econômicos. A interpretação desqualificadora proposta pela “Escola” dos Annales: história factual, linear, de “reis e batalhas”. As tentativas de revivescência através da aproximação da Ciência Política e da Antropologia. Os desafios impostos pela História do Tempo Presente: narrativa história e política.

 

ATIVIDADES DO CURSO

Debate de textos teóricos e dos projetos de pesquisa dos alunos. No início do curso, serão escolhidos os temas teórico-metodológicos mais adequados tendo em vista os interesses da turma e será definido um cronograma de exposição dos projetos. Bibliografia complementar atualizada será oferecida no início do curso.

 

 

BIBLIOGRAFIA

 

RENOVAÇÃO DA HISTÓRIA POLÍTICA

BALMAND, Pascal. Le renouveau de l’histoire politique. In: BOURDÉ, Guy et MARTIN, Hervé. Les écoles historiques. Paris, Seuil, 1990.

BORGES, Vavy Pacheco. História e política: laços permanentes. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 12, n. 23/24, p. 7-18, st. 1991/ago. 1992.

BORGES, Vavy Pacheco. História política: totalidade e imaginário. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 9, n. 17, p. 151-160, 1996.

CAPELATO, Maria Helena Rolim. História política. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 9, n. 17, p. 161-165, 1996.

CARDOSO, Ciro Flamarion Santana. História do poder, história política. Estudos Ibero-Americanos, Porto Alegre, v. 23, n. 1, p. 123-141, jun. 1997.

CARNERO ARBAT, M. Teresa. La renovación de la Historia Política. In La historia contemporánea en España : primer Congreso de Historia Contemporánea de España, Salamanca, 1992. / coord. por Mariano Esteban de Vega, Antonio Morales Moya, 1996, ISBN 84-7481-840-0, pags. 173-182

COHEN, Ilka Stern. Entre história e política. Resenha de RÉMOND, René. (Org.). Por uma história política. Rio de Janeiro, UFRJ/FGV, 1996.

D’ALESSIO, Márcia Mansor, JANOTTI, Maria de Lourdes Mônaco. A esfera do político na produção acadêmica dos programas de pós-graduação (1985-1994). Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 9, n. 17, p. 123-149, 1996.

FALCON, Francisco. História e poder. In: CARDOSO, Ciro Flamarion Santana, VAINFAS, Ronaldo (Orgs.). Domínios da história: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997. p. 61-89.

FERREIRA, Marieta de Moraes. A nova “velha história”: o retorno da história política. Resenha de RÉMOND, René (Org.). Pour une histoire politique. Paris: Sevil, 1988. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 5, n. 10, p. 265-271, 1992.

JULLIARD, Jacques. A política. In: LE GOFF, J., NORA, P. (dir.). História: novas abordagens. Tradução de Henrique Mesquita. 3. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1988. P. 180-196.

LE GOFF, Jacques. A política será ainda a ossatura da história? In: ______. O maravilhoso e o cotidiano no ocidente medieval. Lisboa: Ed. 70, 1983. p. 215-229.

NORA, Pierre. O retorno do fato. In: LE GOFF, Jacques, NORA, Pierre (Dirs.). História: novos problemas. 2. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1979. p. 179-193.

PROCHASSON, Christophe. Vingt ans d’histoire politique en France. In: BARROS, Carlos (Ed.). Historia a debate. Actas del Congreso Internacional “A historia a debate” celebrado el 7-11 de julho de 1993 en Santiago de Compostela. Santiago de Compostela: Historia a Debate, 1995. T. III: Otros enfoques. p. 209-215.

RÉMOND, René (org.). Por uma história política. Tradução de Dora Rocha. Rio de Janeiro: UFRJ, 1996. 467 p.

RÉMOND, René. Por que a história política? Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 7, n. 13, p. 7- 20, jan./jun. 1994.

RÉMOND, René. Por que a história política? Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 7, n. 13, p. 7- 20, jan./jun. 1994.

ROSANVALLON, Pierre. Por uma história conceitual do político (nota de trabalho). Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 15, n. 30, p. 9-22, 1995.

 

SIMBÓLICO, IMAGINÁRIO, MITO

BACZKO, Bronislaw. Imaginação social. Enciclopédia Einaudi. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1985. vol. 5.

BOURDIEU, Pierre. Sobre o poder simbólico; A gênese dos conceitos de habitus e de campo; A representação política. Elementos para uma teoria do campo político. In: BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. 2. ed. Tradução de Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

GEERTZ, Clifford. Centros, reis e carisma: reflexões sobre o simbolismo do poder. In: ____. O saber local: novos ensaios de antropologia interpretativa. Petrópolis: Vozes, 2000, p. 182-219.

GIRARDET, R. Para uma introdução ao imaginário político; Na direção de um ensaio de interpretação. In: _______. Mitos e mitologias políticas. São Paulo: Companhia das Letras, 1987. p. 9-24, 177-192.

GOUVÊA, Maria de Fátima Silva. A história política no campo da história cultural. Revista de História Regional, Ponta Grossa, v. 3, n. 1, p. 25-36, 1998.

Kuschnir Karina, Carneiro, Leandro Piquet. As dimensões subjetivas da política: cultura política e antropologia da política. Estudos Históricos, n. 24, 1999.

 

CULTURA POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO POLÍTICA

BERNSTEIN, Serge. A cultura política. In RIOUX, Jean-Pierre, SIRINELLI, Jean-François (Orgs). Para uma histórica cultural. Lisboa: Estampa, 1998.

BERNSTEIN, Serge. L’histoire et la culture politique. Vingtième siècle. Revue d’Histoire, n. 35, p. 67-77, 1992.

CAPELATO, Maria Helena Rolim, DUTRA, Eliana Regina de Freitas. Representação política: o reconhecimento de um conceito na historiografia brasileira. In: CARDOSO, Ciro Flamarion, MALERBA, Jurandir (Orgs.). Representações: contribuição a um debate transdisciplinar. Campinas: Papirus, 2000. pp. 227-269.

CERQUEIRA, Adriano S. Lopes da Gama. A validade do conceito de cultura política. LPH – Revista de História, Mariana, n. 6, p. 83-91, 1996.

DUTRA, Eliana R. de Freitas. História e culturas políticas: definições, usos, genealogias. Varia História. Belo Horizonte, n. 28, 2000, p. 13-28

GOMES, Angela de Castro. História, historiografia e cultura política no Brasil: algumas reflexões. In: SOIHET, Rachel; BICALHO, Maria Fernanda Baptista; GOUVÊA, Maria de Fátima Silva. Culturas políticas: ensaios de história cultural, história política e ensino de história. Rio de Janeiro: MAUAD, 2005, p. 21-44.

Kuschnir Karina, Carneiro, Leandro Piquet. As dimensões subjetivas da política: cultura política e antropologia da política. Estudos Históricos, n. 24, 1999.

LABORIE, Pierre. “Histoire politique et histoire des répresentations mentales”. In: PECHANSKI, Denis, POLLACK, Michel et ROUSSO, Henry (Dirs.). Histoire politique et sciences sociales. Bruxelles: Complexe, 1991.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. A história política e o conceito de cultura política. LPH – Revista de História, Mariana, n. 6, p. 83-91, 1996.

SANI, Giacomo. Cultura política. In: BOBBIO, Norberto, MATTEUCCI, Nicola. Diccionario de política. Madrid: Siglo Veintiuno, 1976. p. 469-472.

 

MEMÓRIA

ALBERTI, Verena. Ouvir, contar: textos em história oral. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

ARAUJO, M. P. N. . Memórias estudantis: da fundação da UNE aos nossos dias. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2007

BOSI, Eclea. Memória e Sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

CATELA, Ludmila da Silva. Violência política y dictadura militar em Argentina: de memórias dominantes, subterráneas y denegadas IN: Fico, Carlos et al. (Orgs.). Ditadura e democracia na América Latina: balanço histórico e perspectivas. Rio de Janeiro: FGV, 2007.

CATROGA, Fernando. Memória e história. In: PESAVENTO, Sandra J. (Org.). Fronteiras do milênio. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS, 2001, p. 43-69.

D’ALÉSSIO, Maria Mansor. Memória: leituras de M. Halbawchs e P. Nora. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 13, n. 25/26, p. 97-113, set. 1992/ago. 1993.

DELGADO, Lucília de Almeida Neves. Reflexões sobre memória e história – a técnica da história oral. Revista do Departamento de História, Belo Horizonte, v. 4, p. 134, jun. 1987.

FERRAROTTI, Franco. Histoire et histoires de vie: la méthode biographique dans les sciences sociales. Paris, Librairie des Meridiens, 1983.

FERREIRA, Marieta de Moares, AMADO, Janaina. Usos e abusos da História Oral. Rio de Janeiro: FGV, 1996.

FERREIRA, Marieta de Moraes (Org.). João Goulart: entre a memória e a história. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

GOFF, Jacques Le. Memória. In ROMANO, Ruggiero (Dir.). Enciclopédia Einaudi. Vol 1: Memória – história. Lisboa: Imprensa Nacional, Casa da Moeda, 2001.

GUARINELLO, Norberto Luiz. Memória coletiva e história científica. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 14, n. 28, p. 180-193, 1994.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

HUTTON, Patrick. Collective memory and collective mentalities: the Halbwachs-Ariès connection. Historical reflections/réflexions historiques, v. 15, n. 2, p. 311-22, 1988.

HUYSSEN, Andreas. Resistencia a la memoria: los usos y abusos del olvido público. Conferência de abertura do XXVII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. 30 de agosto a 3 de setembro de 2004. PUC do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

JELIN, Elizabeth. Los trabajos de la memoria. Buenos Aires, (Colección Memorias de la represión) Buenos Aires, Siglo XXI, 2002.

MENESES, Ulpiano T. Bezerra de. A história, cativa da memória? para um mapeamento da memória no campo das ciências sociais. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 34, p. 9-23, 1992.

MENESES, Ulpiano T. Bezerra de. Memória e cultura material: documentos pessoais no espaço público. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 11, n. 21, p. 89103, 1998.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História, São Paulo, n. 10, p. 7-28, dez. 1993.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento e silêncio. Estudos Históricos, n. 3 Rio de Janeiro: 1989.

POLLAK, Michel. Memória e identidade social. Tradução de Monique Augras. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 200-212, 1992.

RIBEIRO JÚNIOR, José. Memória e produção historiográfica. Pós-História, Assis, v. 1, p. 31-37, 1993.

ROLLENBERG, Denise. “Exílio. Entre raízes e radares”. Rio de Janeiro: Record, 1999.

SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

 

TRAJETÓRIA / BIOGRAFIAS

ALBERTI, Verena. Literatura e autobiografia: a questão do sujeito na narrativa. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 4, n. 7, p. 66-81, 1991.

ARTIÈRES, Philippe. Arquivar a própria vida. Tradução de Dora Rocha. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 11, n. 21, p. 9-34, 1998.

BENCHIMOL, Jaime. Narrativa documental e literária nas biografias. História, Ciências, Saúde – manguinhos, Rio de Janeiro, v. II, n. 2, p. 93-94, jul./out. 1995.

BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: FERREIRA, Marieta de Moraes, AMADO, Janaína (org.). Usos & abusos da história oral. Rio de Janeiro: FGV, 1996. p. 183-191.

BURKE, Peter. A invenção da biografia e o individualismo renascentista. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 10. n. 19, p. 83-97, 1997.

CALLIGARIS, Contardo. Verdades de autobiografias e diários íntimos. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 11, n. 21, p. 43-58, 1998.

COLOMER, Francisca. Biografía y cambio social: la historia que estamos viviendo. In: BARROS, Carlos (ed.). Historia a debate. Actas del Congreso Internacional “A historia a debate” celebrado el 7-11 de julho de 1993 en Santiago de Compostela. Santiago de Compostela: Historia a Debate, 1995. T. III: Otros enfoques. p. 167-174.

FRAIZ, Priscila. A dimensão autobiográfica dos arquivos pessoais: o arquivo de Gustavo Capanema. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 11, n. 21, p. 59-87, 1998.

LEVI, Giovanni. Usos da biografia. In: FERREIRA, Marieta de Moraes, AMADO, Janaína (org.). Usos & abusos da história oral. Rio de Janeiro: FGV, 1996. p. 167-182.

LIMA FILHO, Henrique Espada R. Biografia e microistória: o uso da biografia na historiografia italiana contemporânea. Cadernos do Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Belém, v. 12, n. 1/2, p. 1-12, jan./dez. 1993.

MITRE, Antonio. Literatura, história e biografia no Facundo: a metodologia de Domingo F. Sarmiento. História & Perspectivas, Ubrlândia, n. 9, p. 43-49, jul./dez. 1993.

ORIEUX, Jean. A arte do biógrafo. In: DUBY, G. et al. História e nova história. Tradução de Carlos da Veiga Ferreira. Lisboa: Teorema: 1986. p. 33-42.

PLEKHANOV, George. O papel do indivíduo na história. Tradução de Serafim Ferreira. 2. ed. Lisboa: Antídoto, 1977. 160 p.

PROCHASSON, Christopher. Tradução de Dora Ribeiro. “Atenção: verdade!”: arquivos privados e renovação da prática historiográfica. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 11, n. 21, p. 105-119, 1998.

RIBEIRO, Renato Janine. Memórias de si ou… Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 11, n. 21, p. 35-42, 1998.

ROSENTHAL, Gabriele. A estrutura e a gestalt das autobiografias e suas conseqüências metodológicas. In: FERREIRA, Marieta de Moraes, AMADO, Janaína (org.). Usos & abusos da história oral. Rio de Janeiro: FGV, 1996. p. 193-200.

SCHMIDT, Benito Bisso. O gênero biográfico no campo do conhecimento histórico: trajetória, tendências e impasses atuais e uma proposta de investigação. Anos 90, Porto Alegre, n. 6, p. 165-192, dez. 1996.

STROZZI, Susana. Sujeto y persona en la biografía histórica. In: BARROS, Carlos (ed.). Historia a debate. Actas del Congreso Internacional “A historia a debate” celebrado el 7-11 de julho de 1993 en Santiago de Compostela. Santiago de Compostela: Historia a Debate, 1995. T. III: Otros enfoques. p. 175-182.

 

DISCURSO/IDÉIAS POLÍTICAS

CARVALHO, José Murilo de. História intelectual no Brasil: a retórica como chave de leitura. Topoi. Rio de Janeiro, n. 1, pp. 123-152.

CHARTIER, Roger. Historia intelectual e historia de las mentalidades. Trayetorias y preguntas. In: ______. El mundo como representación. Historia cultural: entre prática y representación. Tradução de Claudia Ferrari. Barcelona: Gedisa, 1992. p. 13-44. (Colección Hombre y Sociedad).

DARNTON, Robert. História intelectual e cultural; História social das idéias. In: _______. O beijo de Lamourette: mídia, cultura e revolução. Tradução de Denise Bottman. São Paulo: Companhia das Letras, 1990. p. 175-197, 198-224.

FALCON, Francisco. História das idéias. In: CARDOSO, C. F. S., VAINFAS, R. (orgs.). Domínios da história: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997. p. 91-125.

__________. História e poder. In: CARDOSO, C. F. S., VAINFAS, R. (orgs.). Domínios da história: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997. p. 61-89.

GARRIDO, María del Mar. La historia intelectual en crisis? El giro lingüístico y la historia social frente a la historia intelectual. In: BARROS, Carlos (ed.). Historia a debate. Actas del Congreso Internacional “A historia a debate” celebrado el 7-11 de julho de 1993 en Santiago de Compostela. Santiago de Compostela: Historia a Debate, 1995. T. II. Retorno del sujeto. p. 201-212.

POCOCK, J. G. A. Linguagens do ideário político. São Paulo: Edusp, 2003.

SKINNER, Quentin. Meaning and Understanding in the History of Ideas. In TULLY, James (Org.). Meaning & Context. Quentin Skinner and his Critics. Princeton: Princeton University Press, 1988.

__________. The rise of, challenge to and prospects for a Collingwoodian approach to the history of political thought. In CASTIGLIONE, Dario (Org.). The History of Political Thought in National Context.Cambridge: Cambridge University Press, 2001.